Um Pouco da História do Computador

Há muito tempo, o homem utilizou um tipo especial de palavra. Com regras próprias, os números, que têm uma característica rara, podiam ser representados nos dedos (dígitos) e eram armazenados no cérebro, que tinha capacidade limitada. Assim, os humanos inventaram dispoditivos externos para aremazenar as informações.

Por volta de 2000 a.C., os fenícios utilizaram um instrumento para lidar com os números: o ábaco, utilizado até hoje no Oriente; assim como o suan pan (chinês) e o soroban (japonês).
O escocês John Napier (1550 – 1617), famoso pelos logaritmos, inventou os chamados “ossos de Napier”, que eram tabelas de multiplicação gravadas em bastões.
Em 1642, o cientista francês Blaise Pascal construiu a primeira calculadora mecânica, a “Pascaline”, que fazia somente somas e subtrações.
Em 1671-73, o matemático alemão Gottfried von Leibniz aperfeiçoou o projeto de Pascal e adicionou à máquina os recursos de multiplicação, divisão e extração de raiz quadrada.
Com uma máquinas de tecer, foi inventado um sistema que representava os padrões de cores num tear manual. O tecelão lia os cartões até que, em 1801, Joseph Marie Jcquad, outro matemático francês, inventou o tear mecânico com uma leitora de cartões automática. Entravam os cartões, saía o tecido.
Essa idéia chegou até a Inglaterra e o matemático e inventor inglês Charles Babbage, conhecido como “o pai do computador”, idealizou e projetou a “máquina analítica”, com dispositivos de entrada para ler cartões perfurados que continham instruções a serem executadas (a essência do software) e unidade de memória ou armazenamento, em que se guardavam as informações para uso futuro. Processava as quatro operações básicas e tinha uma unidade de saída que fazia as impressões em cartões. Se Charles Babbage é o pai do computador, Ada Augusta – Lady Lovelace – é a mãe. Matemática, tornou-se a primeira programadora, escreveu as primeiras instruções para a máquina analítica. Infelizmente, a máquina nunca chegou a funcionar. Entretando, os projetos inspiraram uma série de equipamentos.
Em 1880, nos EUA, o estatístico Herman Hollerith, a partir das idéias de Babbage, sugeriu um método para automatizar as tabulações do censo americano. Conseguiu o resultado em seis semanas, enquanto o método anterior demora, em média, 7 anos. Foi o fundador da primeira indústria comercial de máquinas – Tabulating Machene Company (1896). Essa indústria cresceu e hoje é conhecida como IBM – Internacional Business Machine Corporation.
Em 1890, um jovem bancário e contador, William E. Burroughs, iciciou a produção de uma máquina de calcular mecânica, que imprimia as parcelas e os resultados. Fundou uma empresa que mais tarde se trasfomou na Burroughs Company e uniu-se à UNIVAC para formar, em 1986, a Usisys.
Em 1937, o professor de matemática Howard Aiken com o auxílio da IBM e da Marinha Americana, que tinha como objetivo calcular as trajetórias de projéteis durante a Segunda Guerra, desenvolveu o primeiro computador eletromecânico – MARK I. Um gigante, media 2,5 metros de altura por 18 metros de comprimento, tinha 750.000 partes e 700 quilômetros de cabos.
Em 1943, um grupo de matemáticos liderados por J. Presper Eckert e John Mauchly começou a desenvolver uma máquina eletrônica chamada ENIAC: Eletronic Numerical Integrator and Calculator, que ocupava mais de 170 metros quadrados, pesava 30 toneladas e funcionava com 18.000 válvulas, 10.000 capacitores. A programação era realizada pela ligação de fios, demorava semanas mas reduziu para 30 segundos os cálculos de trajetórias de mísseis, que antes levavam cerca de 1.000 segundos. Em algumas operações, era 1.000 vezes mais rápido que o MARK I.
Entre 1945 e 1950, o matemático húngaro Jon von Neumann desenvolveu a lógica dos circuitos, os conceitos de programas e operações com números binários e o conceito de que tanto instruções como os dados podiam ficar armazenados e manipulados internamente. Suas idéias e conceitos são usados até hoje nos computadores mais modernos.
Em 1969, a Intel começa a desenvolver o primeiro microprocessador 4004 para os japoneses.
Em 1975, voi criado o primeiro microcomputador – Altair 8800.
Em 1976, Steve Jobs e Steve Wozniak lançam o Apple I e um ano depois (1977) surge o Apple II, e além do Apple, foi lançado o RES-80.
Em 1980, foi criada pela  IBM a linha PC (Personal Computer).

Os computadores eletrônicos, em função da evolução tecnológica, são classificados da seguinte forma:

  • Primeira Geração: todos baseados em tecnologias de válvulas eletrônicas. Como o UNIVAC I, o EDVAC, o  Whirlwind e o IBM 650. Calculavam com velocidade de milésimos de segundo.
  • Segunda Geração: baseados em transistore, que eram 100 vezes menor e que a válvula, consumiam menos energia. EX.: IBM 1401, IBM 7094. Calculavam em microsegundos (milionésimos).
  • Terceira Geração: substitui os transistores pela tecnologia de circuitos integrados – transistores e outros componentes miniaturizados num único chip ( pastilha de silício, descoberta pelos pesquisadores dos Laboratórios Bell), criando um circuito integrado. As características dos circuitos integrados resumem a evolução e tendência até os dias de hoje.
  • Quarta Geração: tem como principal característica uma inovação tecnológica, que é a substituição dos núcleos magnéticos por semicondutores de campo, na constituição da memória. São menores e oferecem processamento muito mais rápido.
  • Quinta Geração: esta geração é bastante polêmica. Para alguns autores uma primeira característica é a de possuir uma arquitetura de processamento paralelo com vários processadores – utilizada nos supercomputadores. A segunda característica seria a ruptura da estrutura binária de Neumann. Acredita-se que esta geração ainda irá surgir. Além dos EUA, outros países, como Japão e China, também estão trabalhando nesse sentido.

Fonte: T.E.M.A. – Técnicas de Ensino e Metodologias Avançadas. Ensino Fundamental. Médio. Profissionalizante. Ed. Didática Paulista. 2007

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *